Natura cresce no comércio eletrônico e muda a cara dos consultores

Uma gigante brasileira do setor de beleza está mudando a sua forma tradicional de vender os seus produtos e abrindo caminho para conquistar novos mercados consumidores.

A Natura, empresa conhecida por suas vendas porta a porta de cosméticos e maquiagens, entrou de vez no comércio eletrônico. A companhia lançou recentemente um novo site que reúne dicas de beleza, canais de relacionamento dos consultores e vendas diretas ao consumidor com descontos.

A nova plataforma reúne também o blog Adoro Maquiagem e a Rede Natura. Os consultores têm uma página no novo site, podendo recomendar produtos ou dar dicas de uso. O pagamento é processado pela companhia, assim como a logística e o transporte. Dessa forma, o tempo de entrega é menor e a consultora não precisa comprar o produto para revender.

Além do novo site, a companhia também desenvolve um aplicativo para consultores, sendo possível gerenciar pedidos, acompanhar o seu desenvolvimento nas vendas e receber treinamentos onlines.

De acordo com matéria publicada na revista Exame, em agosto deste ano, o perfil dos consultores da Natura é diferente nos dois sistemas de venda. Enquanto nas vendas diretas físicas 90% dos revendedores são mulheres, no meio digital essa participação cai para 70%.

Junto com as lojas físicas, a empresa diversificou o seu modelo de negócio, antes baseado exclusivamente nas vendas diretas. Essa mudança exigirá que a empresa e os seus consultores se adaptem ao novo sistema. Mas a grande vantagem é que os consultores podem aumentar muito as suas vendas com o uso do comércio eletrônico, sem barreiras físicas e geográficas.

Com 1,37 milhão de consultoras no Brasil, a Natura possui cerca de 250 mil consultores digitais que vendem pelo comércio eletrônico. Cerca de 70% dos clientes compram através de um consultor. Por enquanto, apenas 600 mil consultores usam o aplicativo.

Muitos já usam a tecnologia para as suas vendas com vídeos e tutoriais no YouTube, dicas pelo Facebook ou Instagram, entre outros canais de comunicação, como o WhatsApp.

Com uma estratégia omnichannel, ou seja, de atuar com vários canais de vendas, a concorrência tem tudo para aumentar. Por isso, quem quiser se manter no mercado vai precisar se diferenciar.

Esse é o caso da carioca Fabiana Marques dos Santos, de 37 anos, bacharel em Marketing e revendedora líder Natura desde 2016. Ela começou a revender online os produtos Natura em fevereiro deste ano sem custo de taxa de adesão.

Apaixonada por vendas, Fabiana é revendedora categoria ouro de porta a porta, com lucro de 32% para os produtos do catálogo impresso. Já nas vendas via site, ela ganha 20%, sendo que 4% vai para a administradora de pagamento Moip.

Entre as vantagens nas vendas online, ela destaca a falta de inadimplência em primeiro lugar. “Não preciso ficar preocupada se o cliente vai pagar no dia certo, nem cobrar, fazer entregas e nem estoque de produtos. Recebo o valor líquido das vendas em dia e sem nenhuma preocupação”, diz a revendedora.

A carioca também pode vender para pessoas de fora da sua cidade e do estado. Basta passar o seu link. Ela conta que sempre realiza promoções e faz divulgação pelas redes sociais e WhatsApp. “Meus clientes raramente compram um único produto comigo. Isso porque consigo identificar as necessidades e os gostos deles. Costumo também fazer encontros da beleza com as amigas, que são um sucesso!’, revela entusiasmada Fabiana Marques.

Crescimento da receita da empresa

As vendas pela internet são as grandes responsáveis pelo crescimento das receitas da Natura, que aumentaram 12,4% no primeiro semestre de 2018. A marca cresceu 8,6% no último semestre.

De acordo com o relatório de resultados do primeiro trimestre de 2018 da empresa, houve um forte crescimento de dois dígitos nas vendas online no Brasil e a intensificação da estratégia via internet no Chile e na Argentina.

Mesmo com a maior concorrência, a venda direta deve continuar forte para a Natura e o mercado brasileiro. O modelo online movimentou cerca de 45,2 bilhões de reais em vendas no ano passado, através de 4,1 milhões de empreendedores, de acordo com a Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD).

Um Comentário

  1. Felipe-Reply
    3 de outubro de 2018 em 20:09

    Parabéns ! Você merece !

Deixe um Comentário

Entre em contato